https://www.christianmoreira.com.br/
Cartas de amor...passadas | O menino dos Sonhos

Cartas de amor...passadas

sexta-feira, 26 de abril de 2019
Acervo pessoal


Você tinha o péssimo hábito de perguntar porque eu passava tanto tempo longe do meu lugar favorito, o meu blog. Hoje eu percebo que você esperava que eu negasse e reafirmasse o seu lado egocêntrico dizendo que o seu abraço era o meu canto favorito no mundo. Você tem os seus dias de glória, mas também tem a indecisão como o seu problema diário, vive com base nas mentiras e nas relações estereotipadas. Eu sei que você cultiva algo por essa pessoa que no momento está na frente de um computador as duas e meia da manhã de um sábado. Eu sei, porque o brilho dos seus olhos não mente em cada foto que você publica o lado dela, mas você insiste em fugir da realidade, pior de tudo, você insiste em ir contra a sua verdade.
Você lembra da nossa ida ao Rainbow Bar and Grill em Los Angeles? A nossa última viagem como um casal, onde você me deixou plantado do lado de fora na chuva enquanto você acabava com tudo. Usar o termo "casal" parece muito errado e sinto que faltaria algo na significação dessa palavra, falar que éramos dois jovens desfrutando do amor também parecia meio antiquado quando paro para pensar, já que a palavra namorados parecia te assustar. 
Eu sei que preciso de te deixar seguir ou , na verdade, eu preciso dar um ponto final em qualquer sentimento que eu insisto em guardar no meu peito. Vem e acaba com tudo logo. Destrói. Apaga. Por favor, só destrói essa dor, porque qualquer sofrimento é menor do que amar e não ser correspondido, passar uma noite ao seu lado e no dia seguinte ser esquecido. Então apaga, destrói. Vê se me esquece, mas de uma vez por todas. Eu tenho que seguir em frente. O brilho dos meus olhos está quase chegando ao fim, por você eu me esqueci, me joguei no fundo do poço, mas eu sempre retornava pro mundo real, fiz esse trajeto durante 364 dias, sim. Todos esses dias, incontáveis horas, e agora só me resta um único dia e eu o dedico a vender todo o imóvel construído aqui no fundo do meu peito, cada reforma. Posso com a mais pura certeza dizer que ele se tornou um grande espaço, todo renovado. Eu podia ser trouxa, mas era esperto e mesmo a cada vez que você me desvalorizava eu decidia investir em algo novo, um tal plano para o futuro, uma nova língua, um novo aprendizado que passaria contar no meu currículo. Quer entrar em contato comigo? Fui ser feliz, longe de você. 
Ah, ia me esquecendo de um grande detalhe, o preço do imóvel, do fundo do poço, você pode tratar comigo, já que por tantas mentiras, tantas incertezas, agora ele parece um lugar mais adequado para você. 
Acervo pessoal

Um comentário:

  1. QUE HINO DE POEMA, QUE TEXTO, QUE ESCRITA MARAVILHOSA ❤💕

    ResponderExcluir

Compartilhe com outros leitores sua opinião